/
Mina de Ouro Romana Conhal do Arneiro
Monte do Arneiro
Ponto a visitar
 
Mina de Ouro Romana Conhal do Arneiro, Monte do Arneiro
O Conhal do Arneiro corresponde a uma lavra a céu aberto onde se terá extraído ouro por desmonte gravítico dos depósitos sedimentares de terraço, constituídos por conglomerados. Os vestígios desta exploração com origem romana ocupam uma área de mais de 70 hectares entre o ribeiro do Vale e a Serra de S. Miguel. O que se pode ver são enormes amontoados de seixos rolados de quartzito a que se dá o nome de conhos, os quais constituem as escombreiras. Os montículos encontram-se alinhados por dezenas de metros, marcando os canais por onde circulava a água destinada ao desmonte dos depósitos e à lavagem do sedimento. Trata-se do melhor exemplo de exploração romana do tipo "arrugiae" no território do Geopark Naturtejo e em Portugal. Os melhores pontos de observação genérica deste geomonumento são o Miradouro da Serra de S. Miguel (Nisa), o Miradouro do Castelo (Vila Velha de Ródão), sendo também recomendável o acesso ao Pego das Portas na povoação do Arneiro para uma vista de pormenor. Para melhor conhecer a totalidade este local sugere-se o Centro Interpretativo do Conhal e os percursos pedestres "Trilhos do Conhal" e "Trilho da Mina de Ouro do Conhal" que além dos vestígios da mineração romana permitem contemplar o vale do Tejo, o Monumento Natural das Portas do Ródão e observar grifos e zimbrais.
Características