/
Minas de Rio de Frades (Geossítio)
Arouca
Ponto a visitar
 
Minas de Rio de Frades (Geossítio), Arouca
A exploração de volfrâmio e estanho na área das Minas de Rio de Frades remonta, pelo menos, ao ano de 1915, altura em que foi concedido o primeiro alvará de exploração mineira para a área. O jazigo de W-Sn de Rio de Frades situa-se ao longo de um sistema de falhas, com direção aproximada N-S, ocorrendo em rochas metamórficas ante-ordovícicas. A mineralização encontra-se em filões de quartzo, rica em volframite, cassiterite e, mais raramente, scheelite. A arsenopirite é o principal sulfureto identificado. Em 1923 foi fundada a Companhia Mineira do Norte de Portugal (de capitais alemães e, por isso, conhecida como «Companha Alemã») e em 1941 ocorreu o período de maior atividade de exploração e exportação de tungsténio para a Alemanha. A antiga galeria mineira denominada Vale da Cerdeira, terá sido a mais produtiva em volfrâmio do Couto Mineiro, sendo ainda hoje possível transitar em segurança no seu interior durante um percurso de cerca de 400 m, trazendo à memória histórias mineiras passadas. Além de toda a aventura relacionada com a passagem da galeria, a área envolvente da mesma transforma-a num local de eleição. Antes da entrada temos uma vista panorâmica sobre as ruínas do Complexo Mineiro de Rio de Frades. Depois de atravessada a galeria, deparamos com uma bela queda de água cristalina numa ribeira afluente do Rio de Frades, onde é possível usufruir de um contacto com a Natureza em estado selvagem quase absoluto. Acrescentam-se ainda os aspetos culturais e as histórias e tradições relacionadas com a presença dos alemães, durante a II Guerra Mundial, que trouxeram melhoramentos significativos à região como abertura de estradas, eletrificação das instalações das minas e instalação telefónica.
Características