/
Minas de Argozelo
Vimioso
Local
 
Local - Minas de Argozelo, Vimioso
As Minas de Argozelo foram sempre conhecidas como minas de estanho e volfrâmio e, ao que tudo indica, foram pela primeira vez objecto de concessão mineira em 1898 e começaram a sua actividade mineira antes de 1913, ano em que esta Mina recebeu a primeira visita do responsável do Fomento Mineiro.
No início da actividade da Mina, começaram por explorar o minério que havia à superfície, fazendo alguns pequenos poços de pesquisa e algumas galerias na Zona do Vale do Milho. Nessa altura, tanto os trabalhos como o tratamento do minério, era tudo feito à mão.
Em 1916 havia já uma grande preocupação pelo problema da falta de água na povoação de Argozelo, o qual se foi agravando com a continuação dos trabalhos em profundidade nas Minas. É em 1940 que a Câmara Municipal de Vimioso faz chegar ao Fomento Mineiro uma reclamação pela falta de água no chafariz da povoação de Argozelo.
Em 1941 as minas de Argozelo adquiriram uma pequena separadora electromagnética para separar a cassitrite do volfrâmio.
No ano de 1952 foi posta em funcionamento a oficina de tratamento de minério, nessa altura já com máquinas alimentadas a electricidade.
Em 1960 começou a trabalhar o guincho de extracção de minério do poço novo até ao terceiro piso, com dois elevadores, um no sentido descendente e outro ascendente. Foi também montado um sistema de britagem para dar resposta à vazão de escombros que provinham do interior da mina.
Dos anos 60 aos anos 70 a mina foi sendo sempre dotada de novas máquinas, tanto nas oficinas como na lavandaria e central eléctrica, a nível de compressores, transformadores de electricidade e quadros eléctricos. O objectivo era conseguir uma resposta ao consumo de electricidade que ia aumentando proporcionalmente ao aumento da maquinaria. Nesta época foram também renovados todos os martelos de perfuração.
No ano de 1964 iniciou-se uma galeria com cerca de mil e quatrocentos metros de comprimento, para esgoto das águas da mina e para ventilação, galeria essa, que vai dar ao sexto piso da mina a cento e quarenta metros de profundidade.
A partir de 1974, e com o aumento da profundidade da mina, foi montado um novo guincho no poço de extracção, com muita mais velocidade o que veio permitir um aumento diário da saída de vagonetas com escombros. Foi modernizada também toda a secção de britagem. No mesmo ano começou a ser feita a fundição do estanho e da cassitrite extraídos. O estanho passou a sair da Mina já em lingotes, com um peso aproximado de vinte quilos.
Durante o funcionamento da mina, foram feitas várias casas de habitação para os trabalhadores, principalmente para aqueles que vinham de outras localidades.
A partir dos anos 80, e com a compra das minas de cobre de Miguel Vacas em Vila Viçosa pela concessionária das Minas de Argozelo, estas nunca mais tiveram melhoramentos até à data do seu fecho a 30 de Junho de 1986, estando nessa altura a laborar no sétimo piso, a cento e setenta metros de profundidade. A partir dessa data ficou a trabalhar na Mina uma pequena equipa de manutenção. Foram feitas várias amostras nos filões da Mina e alguns furos no interior da mesma, pelo Fomento mineiro e ao que tudo indica os filões em profundidade ainda são mais ricos em minério.
Em 31 de Dezembro de 1992 o Ministério da Indústria mandou fechar a mina e em Junho do ano seguinte declarou a sua falência.
Actualmente é a empresa EDM,SA (Empresa de Desenvolvimento Mineiro) que detém os direitos de prospecção e pesquisa de minerais de estanho, volfrâmio, ouro, prata, cobre e sulfuretos associados nos concelhos de Bragança e Vimioso.
Representante
Entidade: Câmara Municipal de Vimioso
Telefone: 273518120
Correio Eletrónico: jfidalgo@cm-vimioso.pt
Morada: Praça Eduardo Coelho, Vimioso
Fax:
Website: http://
Pontos de Interesse a visitar neste Local